Decodificando a saúde nos meios de comunicação

“Os médicos precisam passar para a população, por meio da mídia, as informações corretas. Precisam ser parceiros dos jornalistas, pois eles são os maiores aliados dos médicos”.  A opinião é da médica Fátima Fernandes Christo, cardiologista e pediatra, apresentadora de programa sobre saúde nas rádios Tupi, Bandeirantes e Manchete, do Rio de Janeiro. Ela foi a palestrante na tarde do segundo dia do V Seminário Nacional Médico/Mídia, promovido pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam), que acontece no Rio de Janeiro.  –

Segundo ela, os médicos, ao se omitirem, dão espaço para os oportunistas, e, com eles, surgem a inverdade e a informação errada. Como modificar essa situação? Como passar a informação para as pessoas? “A única forma de passar a informação, é através da mídia A mesma informação que passamos em meia hora para um paciente, pode ser passada para milhares de pacientes em cinco minutos, com a utilização da mídia”.

De acordo com a médica, é preciso mudar a cultura de que se o médico falar uma linguagem popular é desvalorizado, mas o médico precisa sair do pedestal. “Termos médicos são muito confusos e geram dúvidas e muitos jornalistas estão despreparados para entrevistar médicos.

O resultado são interpretação e edição erradas. “Para dar entrevista é preciso estar preparado”, explicou ela alertando os médicos sobre a necessidade de deter o conhecimento não só sobre o assunto abordado, como também sobre a melhor forma de dar entrevista.

MUDAR A LINGUAGEM – Para a jornalista Patrícia Comunello, assessora de imprensa do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Sul, que participou da mesma mesa, “ é preciso fazer a mídia a entender o mediquês  Segundo ela,há necessidade o jornalista entender e dificuldade do médico de explicar.

A jornalista Patrícia Comunello, disse que a tarefa do jornalista é buscar a informação. “SUS não é só emergência superlotada, o jornalista tem uma certa limitação e repetição de temas: Falar da superlotação nas emergências não é mais notícia. É preciso explicar como e porque isso acontece e da classe médica precisa saber dar as informações necessárias.

“O mediques precisa ser traduzido. O médico precisa criar uma proximidade com o jornalista, ser receptivo, isso pesa na hora da edição da matéria. O médico precisa entender e perceber que é dele a responsabilidade de esclarecer os fatos. O jornalista é o veículo que vai levar a informação à sociedade. Cada nova pauta, é uma nova empreitada. Quando o jornalista entende o assunto, faz a matéria melhor”.