Imprensa é cruel com os médicos?

A ética jornalista na área de saúde foi questionada por médicos e jornalistas presentes no V Seminário Nacional Médico/Média, que está sendo realizado nesta quinta-feira (15/04), no Hotel Pestana, no Rio de Janeiro. A jornalista Beth Luchesi, da TV Globo, que falou sobre “A ética jornalística e a liberdade de expressão”foi questionada sobre a imparcialidade dos profissionais da imprensa. “A ética não pode ser confundida com o bom senso que depende do meio cultural, da religião, da convivência.  “Na dúvida, vale questionar”. Houve um consenso no Seminário de que a imprensa deveria omitir o nome do médico, até que os fatos fossem devidamente apurados, antes de colocar a notícia no ar.

“Eu concordo que o nome dos médicos deveria ser omitido”, disse a jornalista da TV Globo.

A notícia deve ser dada, sem que seja colocado o nome do médico. A abertura do seminário nesta quinta-feira, às 9 horas, foi feita pelo secretário de comunicação da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Waldyr Cardoso e o diretor Eduardo Santana, repre sentando o presidente da Fenam, Paulo Argolo.

 O médico Marcus Renato de Carvalho, pediatra e professor da UFRJ, propôs que os médicos tenham uma disciplina de comunicação e saúde para lidar com a mídia e com as novas tecnologias digitais.

Elisabel Ferriche, deste Blog, questionou o fato de a imprensa condenar os médicos diante das notícias da área. A questão é: “Quem elege o que vai ser notícia? Fatos relevantes não viram notícias.  Houve muitas reclamações “A imprensa está sendo muito cruel com os médicos”, afirmou Ricardo Paiva, do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco.Está?