Proteja nossas crianças e adolescentes

Com o slogan “Faça bonito. Proteja nossas crianças e adolescentes” o Comite Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual de Crianças e Adolescentes organizou domingo (16), no Parque da Cidade, um grande evento cultural e distribuiu panfletos, adesivos, camisetas e um broche com a flor que simboliza a infância e, ao mesmo tempo, demonstra a vulnerabilidade frente ao abuso e exploração infantil. Cartilhas de orientações na prevenção ao abuso e a exploração sexual também foram entregues.
A campanha tem o objetivo de mobilizar a sociedade para participar da luta contra a exploração sexual. “Queremos dar visibilidade a esse tema. Denunciar é a forma das pessoas protegerem as crianças, pois muitas vezes o agressor está dentro de casa,” conta Karina Figueiredo.


Segundo ela, a média de denúncias pelo disque 100 é de 80 ligações por dia. Só no ano passado foram registradas 220.676 denúncias. Neste ano, até abril, já foram contabilizadas 54.513 ligações de relatos de algum tipo de exploração sexual infantil.
Qualquer pessoa pode denunciar casos de exploração. O disque 100 funciona diariamente de 8h às 22h, inclusive nos fins de semana e feriados, recebendo denúncias e garantindo o sigilo do denunciante.


Números – Pesquisa do Centro de Referência para a Violência Sexual — ligado à 1ª Vara da Infância e Juventude do DF —, mostra que em 56,5% dos casos os agressores aterrorizam as vítimas com ameaças físicas ou emocionais. Conseguem, dessa forma, perpetuar o ato criminoso incontáveis vezes. As sequelas são carregadas ao longo da vida. Os responsáveis por tantos danos desfrutam da inteira confiança e respeito das vítimas. No meio onde vive, o abusador é tido pelos adultos como uma pessoa acima de qualquer suspeita.


A pesquisa  também confirma o que estudos anteriores já revelaram. Os pais (24%) e os padrastos (18,5%) estão no topo da lista dos agressores. Apenas 11,1% dos algozes não têm qualquer vínculo com a criança ou o adolescente. A maior parte deles trabalha (44,4%). Também aparecem na lista de abusadores os namorados da vítima, os tios, os irmãos, o namorado da mãe, os primos e os avós.


De acordo com a coordenadora do Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual de Crianças e Adolescentes, Karina Figueiredo.


Conheça a data – O dia 18 de maio surgiu em homenagem a Araceli Crespo, de 8 anos, que foi abusada, torturada e morta em 1973. Os agressores nunca foram punidos. Por conta desse caso, a partir do ano de 2000, a data foi reservada para campanhas e passeatas sobre o tema.


Esta semana ocorrem diversos eventos nos estados brasileiros, com palestras, teatro, música, dança e apresentação de filmes. A programação completa está no site www.sedh.gov.br