Uso do crack em debate

O aumento excessivo do uso de crack no país tem deixado os médicos em alerta e eles querem criar diretrizes eficazes para o tratamento da dependência do uso de crack. O assunto será debatido durante o I Seminário Nacional sobre Aspectos Médicos e Sociais Relacionados ao Uso do Crack, promovido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

O encontro será composto de duas mesas redondas. A primeira, que vai discutir aspectos técnicos e éticos do consumo e do tratamento do usuário, será moderada pelo presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antonio Geraldo da Silva.

“A epidemia do crack no Brasil coincidiu com o fechamento dos leitos psiquiátricos e a rede publica não tem capacidade de absorver toda a demanda. O país conta com apenas 1.800 leitos psiquiátricos em hospitais em geral e existem pelo menos 1,2 milhão de usuários de crack em todo o país”, explica Antonio Geraldo.

Na mesa redonda serão debatidos assuntos importantes como modelos de tratamento aos usuários de crack (Ronaldo Laranjeira), abordagens epidemiológicas (Ana Cecília Marques), dilemas éticos e  clínicos na assistência (Emmanuel Fortes) acolhimento, medicina e interdisciplinaridade (Pedro Gabriel Delgado).

A segunda mesa discutirá tópicos institucionais e sociais do tema: aspectos jurídicos, papel institucional do Estado, propostas dos Ministérios da Saúde e da Educação para o combate ao crack (sobretudo no sistema educacional) e uso do crack sob a perspectiva da sociedade. Depois de cada mesa os debates serão abertos para a participação do público inscrito no encontro.