4 milhões de pessoas contraem hepatite C por ano

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que entre 3 milhões a 4 milhões de pessoas são infectadas pela hepatite C a cada ano em todo o mundo.

De acordo com o órgão, de 130 milhões a 170 milhões desenvolvem a doença de forma crônica e correm risco de ter cirrose ou câncer de fígado. Ainda segundo a organização, mais de 350 mil morrem em decorrência da hepatite C todos os anos.

A partir desta segunda-feira (18), entram em vigor novas diretrizes para o tratamento da doença no Brasil, entre elas, a que permite ao paciente prolongar o tratamento por até 72 semanas na rede pública, sem precisar do aval de uma comissão médica.

A doença está espalhada em todo o planeta. O Egito, Paquistão e a China são as nações com a mais alta incidência da hepatite C. Nesses países, a transmissão ocorre principalmente pelo uso de seringas e equipamentos contaminados com o vírus da doença.

A hepatite C é transmitida pelo contato com o sangue de uma pessoa contaminada por meio de transfusão de sangue, de mãe para filho durante a gravidez e compartilhamento de seringas ou objetos que furam ou cortantes, como alicates de unha e aparelhos usados em cirurgias, tatuagens, piercing e acupuntura. A transmissão pode ocorrer pela relação sexual sem camisinha, mas é uma forma mais rara de infecção, segundo a OMS.

A organização estima que 80% das pessoas não apresentam sintomas. Por ser uma doença silenciosa, a recomendação é consultar um médico com frequência.

Quando os sintomas aparecem, os mais comuns são cansaço, tontura, enjoo, vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Não existe vacina contra a hepatite C. O tratamento é a base de antivirais, como o interferon. No entanto, segundo a OMS, o acesso ao medicamento não é universal e muitas pessoas abandonam a terapia.