Viva bem sem endometriose

A endometriose é conhecida como “a doença da mulher moderna”. Isso porque com o ritmo de vida acelerado, geralmente com o acúmulo de tarefas, a saúde torna-se debilitada. Elas são filhas, esposas, mães, donas de casa, profissionais, e ainda precisam se preocupar com a aparência.

A corrida diária contra o tempo predispõe o estresse, o que compromete as defesas do organismo. É justamente com a baixa imunidade que a mulher pode sofrer com a endometriose e as que já têm a patologia, podem ter o quadro agravado.

Diante da complexidade de sintomas que variam desde a cólica menstrual intensa, dor na relação sexual, problemas intestinais, até a infertilidade conjugal e depressão, para um tratamento de qualidade da endometriose, é preciso, além de uma equipe clínica multidisciplinar especializada, o comprometimento da mulher com todo o processo.

Quem tem a doença deve desenvolver um estilo de vida mais saudável. Pacientes com endometriose têm tendência a ficarem mais ansiosas e estressadas, e com maior dificuldade em lidar com os problemas.

Como o fator emocional tem grande influência no desenvolvimento da endometriose, a prática regular de exercícios físicos e a alimentação balanceada são aliadas imprescindíveis para a qualidade de vida.

Atividade física 

Exercitar o corpo pelo menos meia hora todos os dias, é o suficiente para que a pessoa não seja considerada sedentária. O ideal é que a atividade se enquadre dentro do dia a dia, de maneira que não um empecilho na rotina, mas, sim, uma aliada. Pode ser caminhada, corrida, bicicleta, academia, dança, ou qualquer atividade que coloque o corpo em movimento.

Alimentação balanceada 

Os benefícios da alimentação saudável e balanceada no tratamento da endometriose são comprovados. As fibras alimentares, presentes em frutas, verduras, legumes ajudam a eliminar o excesso de estrogênio – hormônios que podem acentuar a doença.

Já os alimentos fonte de fitoestrógenos, como a linhaça e a soja, podem modular a produção da enzima aromatase – produzida quando estamos acima do peso e que está ligada a produção de estrogênios. Também é recomendado dar preferência às carnes e laticínios pobres em gordura e aumentar o consumo de proteína vegetal, como os grãos.