Oito fatos que você provavelmente não sabe sobre a prótese peniana

protese-peniana-2-volumesOs índices de disfunção erétil são altos no Brasil. Estudos indicam que cerca de 10 milhões de homens apresentam problemas de ereção no país e muitos vão se defrontar com a condição ainda este ano. Um dos tratamentos mais eficazes para a disfunção erétil  grave, no entanto, é ainda bastante desconhecido entre os brasileiros, repleto de mitos e curiosidades.
 
A prótese peniana é a terceira opção de tratamento para disfunção erétil, de acordo com o urologista Carlos Ricardo Doi Bautzer, do Hospital Sírio-Libanês, indicada quando o homem não responde mais ao tratamento medicamentoso e às injeções intracavernosas.  “Ela é um implante que substitui o processo natural de ereção do homem”, afirma. O urologista explica abaixo as principais dúvidas sobre o tratamento e oito fatos que poucos conhecem sobre a prótese peniana.
 
1 – Alguns homens acreditam que a prótese peniana serve para aumentar o pênis ou é um artigo de sex shop. “Um ator pornô foi ao consultório uma vez pedindo um implante para aumentar o pênis para o próximo filme e ele nem tinha disfunção erétil”, conta o médico. Carlos explica que a prótese peniana é indicada apenas em casos de disfunção erétil grave e não aumenta o órgão.
 
2 – De acordo com o urologista, há dúvidas sobre o material que a prótese é produzida. “Já me perguntaram se o implante é feito de aço”, diz. A composição principal da prótese peniana é o silicone.
 
3 – Outra dúvida frequente é sobre a aparência da prótese peniana, e se a outra pessoa vai perceber que o homem tem o implante. O médico explica que a prótese inflável fica inteiramente contida no corpo, sem nenhum dispositivo aparente e externo. Para acionar a prótese inflável, é preciso inflar de 5 a 6 vezes a bombinha dentro do saco escrotal e, apenas neste momento, a outra pessoa pode perceber algo diferente. No caso da prótese peniana maleável – que não tem dispositivo de flacidez – pode parecer que o paciente está tendo uma ereção.
 
 
4 – Se o homem costumava sentir prazer na relação sexual, ele vai continuar com a sensação após a implantação da prótese peniana. Como não se mexe na inervação e nem na glande, a sensibilidade fica totalmente preservada, assim como a ejaculação.
 
5 – A prótese peniana como conhecemos completou 40 anos de invenção. O escultor, urologista e cientista Brantley Scott foi o criador do primeiro protótipo em 1973, fundando a empresa American Medical Systems, que até hoje é líder na fabricação dos implantes.
 
6 – Existem dois tipos de próteses, a maleável e a inflável. A prótese peniana maleável é composta de dois cilindros flexíveis colocados dentro do  pênis. Ela cria uma ereção permanente e é posicionada para permitir a penetração e a relação sexual. São mais baratas e mais fáceis de manusear, mas podem causar constrangimentos sociais, por manter o pênis sempre ereto.
 
7- Já a prótese peniana inflável simula o mecanismo natural de funcionamento do pênis, permitindo uma ereção totalmente rígida durante a relação sexual e depois a flacidez completa. Ela é composta por dois cilindros, um reservatório de soro contido no corpo e uma bombinha localizada dentro do saco escrotal. Para obter uma ereção, o homem aperta a bombinha e o soro do reservatório é transferido para o pênis, causando a ereção. Após a relação sexual, o homem aciona a bombinha e o pênis volta para o estado de flacidez. 
 
8- As versões mais modernas da prótese peniana trazem antibióticos contidos no implante, para minimizar o risco de infecção.

*Com informações do Hospital Sírio-Libanês