Erros de recém-formados em casos médicos básicos preocupam Cremesp

O exame do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) de 2015, que registrou 48,13% de reprovação entre os participantes, mostrou um alto nível de desconhecimento dos recém-formados em medicina em procedimentos considerados básicos.

A prova com 120 questões de múltipla escolha obteve índices de erro entre 60% e 78% em problemas como insuficiência renal crônica, hipertensão arterial e asma brônquica.

Para o conselheiro e corregedor do Cremesp, Eduardo Luiz Bin, os erros estão diretamente associados a falhas nas praticas de ensino e ao excesso de faculdades de medicina abertas no Estado. Segundo ele, “isso mostra que muitas das escolas ainda não estão com uma grade curricular à altura para formar esses alunos, porque é o básico da medicina”.

Segundo dados divulgados pelo Cremesp, 48,13% dos 2.726 profissionais que se formaram – ou 1.312 – acertaram menos de 60% das questões da prova, índice considerado mínimo para aprovação pela entidade.

O número de reprovações foi mais acentuado entre egressos de universidades particulares – 58% – e foi constatado também entre 26,4% dos formados em instituições públicas.

O índice geral de reprovação é inferior em relação a exames anteriores, como o de 2015, em 55%.

O exame aplicado entre 2.726 alunos egressos de 30 cursos de medicina do Estado consistiu de 120 questões de múltipla escolha sobre clínica médica, clínica cirúrgica, pediatria, ginecologia, obstetrícia, saúde pública, saúde mental, bioética e ciências básicas.

Nos testes, 78% dos médicos não acertaram quando questionados sobre a manifestação laboratorial para insuficiência renal crônica. Também se destacaram números dos que não souberam identificar características de esquizofrenia – 73% -, transtorno bipolar – 72% -, asma brônquica em crianças – 64% – e tratamento do infarto agudo do miocárdio – 63%.

Com informações do G1