Clínica promove, em Brasília, campanha de Doação de Sêmen: Saiba como participar

 

A infertilidade masculina no Brasil é responsável por 40% dos casos de dificuldades de engravidar, o que faz com que muitas pessoas recorram a um banco de sêmen. A prática da doação de sêmen ainda é pouco conhecida no País e têm refletido no aumento da procura por bancos internacionais, que cresceram, de acordo com a Anvisa, 2.500% entre 2011 e 2016. Mas esse perfil está prestes a mudar. É que a clínica Fertilcare encabeça, em Brasília, a campanha de “Doação de Sêmen” com o objetivo de ajudar a construir famílias.

De acordo com a diretora da Fertilcare, Beatriz de Mattos, o objetivo da campanha é promover a doação do sêmen ao longo do ano, mas o mês de janeiro foi escolhido para incentivar o início de 2018 com a boa ação. “Nos casos de infertilidade masculina mais grave, casais precisam recorrer ao banco de sêmen para realizar o sonho de serem pais. Há ainda mulheres que decidem ser mães independente de um parceiro, e casais de mulheres que precisam do material genético masculino para gerarem seus filhos.  Em todos esses casos, os sêmens dos doadores são essenciais para transformar sonhos em vidas”.

A embriologista explica que para ser um doador de sêmen é preciso ter entre 18 a 50 anos, e o único preparo necessário para coleta do esperma é a abstinência sexual ou de ejaculação de três a sete dias.  Após a coleta, o material é submetido à avaliação seminal, e o doador recebe gratuitamente os resultados de espermograma, doenças sexualmente transmissíveis e exame genético. Depois de seis meses, o doador retornará para realizar novos exames de sangue.

A especialista destaca que a doação é anônima e segue a resolução do Conselho Federal de Medicina e da Anvisa. “As receptoras não terão qualquer informação sobre o doador assim como os doadores não saberão a quem seu sêmen foi destinado. O doador também não terá acesso a esse sêmen no futuro, caso deseje”, esclarece Dra. Beatriz.

A coleta será feita na clínica Fertilcare, que fica na 915 Sul através do agendamento pelo telefone (61) 3248 0101. Logo após a doação, o sêmen é processado em laboratório e os espermatozoides são congelados e somente poderão ser disponibilizados em tratamento de infertilidade após seis meses, quando se tem o resultado da repetição dos exames de sangue. Vale lembrar que a venda de sêmen no Brasil é proibida e o material deve ser adquirido somente por doação.

Para que o material seja usado em técnicas de reprodução humana, Dra. Beatriz de Mattos esclarece que o casal que for adquirir a amostra seminal se comprometerá com os custos dos exames realizados no doador. “O objetivo dessa campanha não é ter fins lucrativos, mas, sim, diminuir o sofrimento daqueles que necessitam desta ajuda na construção da família. Trata-se de um simples ato de amor à vida”, finaliza.