NO DIA NACIONAL DE LUTA CONTRA A ENDOMETRIOSE (8 DE MAIO) ESPECIALISTA EXPLICA SINTOMAS E TRATAMENTO DA DOENÇA

_MG_9772

“Quando não diagnosticada precocemente poder vir a progredir e intensificar a reação inflamatória. Isso pode comprometer órgãos do aparelho reprodutor, diminuindo a capacidade de a mulher engravidar. Vale destacar que 50% a 70% das mulheres com endometriose podem apresentar infertilidade. Esses dados, entre tantos outros, mostram a importância da informação e conhecimento para o diagnóstico da endometriose, que pode levar até 12 anos”, enfatiza.

Sintomas – O médico esclarece que, no geral, a endometriose tem como característica cólica, dor no fundo da vagina e desconforto durante a relação sexual. Outro fator é saber como procurar ajuda especializada, já muitos profissionais da saúde, inclusive médicos ginecologistas, por falta de conhecimento da doença, dão orientações equivocadas.

Dr. Frederico explica ainda que a endometriose pode acarretar falta às atividades escolares e de lazer, ausência ao trabalho, diminuição do rendimento profissional, dificuldades conjugais e familiares relacionados aos sintomas físicos, emocionais e suas repercussões podem comprometer a qualidade de vida dessas mulheres.

A base do tratamento medicamentoso da endometriose é hormonal – pílulas, injeções e DIU – para controlar os sintomas dolorosos. As medicações podem trazer de volta a qualidade de vida, mas não é um tratamento propriamente dito, pois nenhuma medicação tem a capacidade de erradicar a doença.

Em relação ao tratamento cirúrgico, o Dr. Frederico Corrêa explica que, dependendo da gravidade e localização das lesões de endometriose, a cirurgia se torna extremamente complexa por ser necessária a intervenção em várias estruturas e órgãos da pelve e abdome como intestino, bexiga, ureter, ovários, trompas, nervos pélvicos entre outros.