Entenda a ligação entre a genética e o câncer

renataA Organização Mundial de Saúde (OMS) revelou na última quarta-feira, 12 de setembro, que uma em cada seis mulheres terá câncer, e uma em cada onze morrerão devido à doença. Os dados alarmantes reforçam a importância da adoção de um estilo de vida saudável, para que se possa viver mais e melhor.

Mas qual a razão de o câncer acometer um número maior de pessoas? De acordo com a geneticista Renata Sandoval, a resposta se estende aos fatores de risco e ao aumento da expectativa de vida. Isso porque o câncer pode ser hereditário. Foi o que ela reforçou em sua palestra durante a 1ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia: Atualizando Conhecimento – evento promovido no dia 14 de setembro na Associação Médica de Brasília (AMBr) pela Maternidade Brasília.

A especialista discorreu sobre o tema “A genética e o Câncer Ginecológico”, e esclareceu quando suspeitar que um câncer é hereditário. Ela chamou atenção para situações especiais, como câncer de ovário em qualquer idade, o câncer de mama triplo negativo, o câncer medular de tireoide, o carcinoma de plexo coroide e o carcinoma adrenocortical em crianças.

Renata explicou que todo o câncer é genético, portanto, existe a necessidade de rastreamento individualizado, para que o tratamento seja assertivo. Ela lembrou o caso da atriz Angelina Jolie, portadora de uma mutação no gene BRCA1. A artista, com episódios de câncer na família característicos da síndrome, realizou um teste genético e obteve resultado positivo para a mutação em BRCA1, tomando a decisão de adotar medidas preventivas como cirurgias para extrair as mamas e os ovários, como forma de evitar a doença.

Vale destacar que o mapeamento das alternações genéticas pode ajudar na definição das melhores terapias. Daí a necessidade da visita regular ao médico.