aids

CFM orienta que médicos peçam exames de hepatites B e C, sífilis e HIV

O médico deve orientar seus pacientes a realizarem os exames de hepatites B e C, sífilis e HIV. Este é foco da Recomendação nº 2/2016, pelo Conselho Federal de Medicina CFM) com o objetivo de ajudar no diagnóstico mais rápido das doenças. “No Brasil, cerca de 25% dos casos de HIV são diagnosticados quando o paciente já apresenta contagem de linfócitos CD-4 abaixo de 200 células por mm3, o que significa estado avançado de imunossupressão. É necessário facilitar a realização desses exames para aumentar a detecção em tempo oportuno dessas infecções, o que possibilitará a indicação do tratamento adequado. Isto terá impacto na qualidade de vida daqueles que forem diagnosticados, impactará na diminuição do risco de transmissão e ajudará na prevenção”, argumenta o infectologista Dirceu Greco. O presidente do CFM, Carlos Vital disse que espera “que tanto médicos, quanto pacientes, percam a inibição de falar sobre o assunto. Ainda temos um universo grande de pessoas que sofrem com essas doenças e não estão diagnosticadas. Esperamos que, num médio prazo, aumente o número de diagnósticos e Tratamentos”. Os serviços de saúde dos Estados Unidos e da Comunidade Europeia, também orientam seus médicos a oferecerem testagem para o HIV. Em nenhuma circunstância a realização do exame será compulsória, ou seja, obrigatória. Quando alguma dessas infecções for detectada, deverá ser feita notificação à Secretaria Estadual de Saúde, respeitando-se e garantindo-se, sempre, a privacidade, o sigilo e a confidencialidade.

Dados epidemiológicos são muito preocupantes – O crescimento da epidemia de HIV entre os jovens brasileiros é um dos fatores que mais preocupa a autoridades sanitárias do País. Entre pessoas com 15 a 24 anos, houve aumento de 36,5% nos últimos 10 anos. Só em 2014, o Ministério registrou 4.669 notificações nessa faixa etária, o que justifica a necessidade de mais atenção. Essa situação mostra-se mais crítica quando se comparam os indivíduos nascidos nas décadas de 1960, 1970 e 1980 com a geração atual, nascida a partir de 1990: há cerca de três vezes mais jovens  vivendo com HIV/Aids na geração atual quando comparada às anteriores.  Esta situação específica ocorre dentro de um contexto onde o número de novos casos de Aids no Brasil diminuiu em 2014 em relação a 2013, depois de ter aumentado em anos anteriores. Segundo o Ministério da Saúde, em 2014 houve 39.951 notificações, contra 41.814 em 2013. Nos últimos cinco anos, o Brasil tem registrado, anualmente, uma média de 40,6 mil casos de Aids. A região Norte apresenta uma média de 3,8 mil casos ao ano; o Nordeste, 8,2 mil; o Sudeste, 17,0 mil; o Sul, 8,6 mil; e o Centro-Oeste, 2,7 mil. Os estados do Amazonas e do Rio Grande do Sul apresentam as maiores taxas de detecção, 39,2 e 38,3 casos por 100 mil habitantes, respectivamente.

Faixa etária – A maior concentração dos casos de Aids no Brasil está entre as pessoas com idade entre 25 e 39 anos para ambos os sexos. Entre os homens, observa-se aumento da taxa de detecção principalmente entre aqueles com 15 a 19 anos, 20 a 24 anos e 60 anos ou mais nos últimos 10 anos. Destaca-se o aumento em jovens de 15 a 24 anos, sendo que de 2005 para 2014 a taxa entre aqueles com 15 a 19 anos mais que triplicou (de 2,1 para 6,7 casos por 100 mil habitantes) e entre os de 20 a 24, quase dobrou (de 16,0 para 30,3 casos por 100 mil habitantes).

Sífilis – Gestantes e crianças são as únicas populações nas quais a sífilis deve ser compulsoriamente notificada no Brasil. Não há, portanto, números confiáveis sobre o número de casos da doença adquirida no País. Mas, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, existem no mundo 12 milhões de pessoas com esse vírus adquirido. Por ano, há 714 mil novos casos. Outro problema é o aumento da sífilis congênita (transmitida da mãe para o filho na gestação), conforme dados do Ministério da Saúde. De 1998 a junho de 2014, foram notificados 104.853 casos deste tipo em crianças menores de um ano da idade. Quase metade ocorreu na região Sudeste (45,8%), seguida pelo Nordeste (31,4%), Sul (8,5%), Norte (8,4%) e Centro-Oeste (5,9%). Em 2013, o aumento variou entre 14,8% (Nordeste) e 44,7% (Sul).

Hepatites – Os últimos dados do Ministério da Saúde sobre hepatites no Brasil são de 2011. De 1999 até então, haviam sido notificados 343.853 casos da doença (dos tipos A,B,C, D e E), com média de 40 mil novos casos/ano. Hepatites A e B concentram o maior número de casos. As duas principais vias de transmissão da infecção são uso de drogas venosas e contato com sangue.

Fonte CFM

Acesso à ‘pílula do dia seguinte’ contra AIDS terá acesso ampliado

as-dosagens-hormonais-pilula-dia-seguinte-vem-geralmente-fracionadas-1311335298A prescrição da “pílula do dia seguinte” para aids vai mudar no Brasil. Para ampliar o acesso à terapia e com isso tentar reduzir o número de novas infecções no País, o Ministério da Saúde colocou em consulta pública um protocolo que torna único o tratamento com drogas antiaids indicado para pessoas expostas ao HIV, a chamada profilaxia pós-exposição.

Atualmente, a estratégia terapêutica muda de acordo com o grupo exposto ao vírus. Profissionais de saúde que tiveram contato com sangue ou secreções que possam ter HIV recebem um tratamento distinto de, por exemplo, mulheres vítimas de violência sexual ou de pessoas que tiveram uma relação sexual desprotegida. “Isso não é necessário. O tratamento único é igualmente eficaz, independentemente da forma de exposição”, disse o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita.

Os protocolos distintos levam a uma redução na oferta dos antirretrovirais. “Centros especializados em acolhimento de mulheres vítimas de violência não se sentem autorizados a dispensar os remédios para uma pessoa, por exemplo, que tenha tido uma relação sexual desprotegida”, relata Mesquita. “Com a uniformização, todos os centros vão poder atender todos pacientes. É uma forma de aumentar a rede de dispensação”, completou.

Em 2014, 21.512 pessoas fizeram a profilaxia pós-exposição, um número considerado baixo por Mesquita. Do total, a maioria (40,8%) se expôs ao risco de contato com HIV em acidentes de trabalho. O segundo maior grupo foi o de pessoas que tiveram relações sexuais desprotegidas (33,2%), seguido por vítimas de violência (21,8%).

Comportamento de risco. Pesquisas mostram que o comportamento de risco para aids aumentou entre brasileiros. Embora o nível de informação sobre a forma de transmissão do HIV seja alto, é baixo o uso de preservativo com parceiros casuais. “A terapia pós-exposição se transformou em uma opção que deve se juntar a outras formas de prevenção do HIV. O raciocínio é que é preferível tomar o medicamento por 28 dias do que durante toda a vida”, afirmou o diretor.

Além de unificar a terapia, o governo quer ampliar os serviços que ofertam o tratamento. A ideia é acabar com o atendimento voltado a segmentos específicos e, na próxima etapa, prevista para 2016, estender a distribuição dos medicamentos aos serviços de emergência.

Exemplo. Somente o Rio Grande do Sul oferta atualmente a terapia pós-exposição nos serviços de emergência, que não fecham nos fins de semana ou à noite. A iniciativa, que faz parte de um projeto piloto, deve ter os dados analisados até o fim deste ano. O plano é que, feita a avaliação, se estenda a iniciativa para todo o País. Para ter eficácia, o tratamento tem de começar 72 horas depois da relação de risco. “Não faz sentido as pessoas ficarem indo de serviço em serviço”, disse o diretor.

O tratamento sugerido em consulta pública é feito com a combinação de quatro drogas antiaids: tenofovir, lamivudina, atazanavir com ritonavir. A terapia tem de ser dada durante 28 dias. Uma outra mudança proposta pela consulta, que ficará 30 dias aberta para contribuições, é reduzir o tempo de acompanhamento dessas pessoas que fizeram a profilaxia pós-exposição de 6 meses para 3 meses. “Quando o protocolo havia sido feito, os exames não eram tão precisos e o risco de um falso negativo era maior”, justificou o diretor.

Depois da consulta pública, a proposta de mudança deverá ser avaliada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS (Conitec).

Aplicativo. O ministério vai lançar nos próximos meses um aplicativo com informações sobre os serviços de profilaxia pós-exposição no Brasil, de forma a facilitar o início rápido do tratamento com o coquetel indicado. Para o aplicativo, a pasta está atualizando dados dos serviços que hoje oferecem o tratamento.

 

Fonte: O Estado de São Paulo

Mulheres são maioria nas novas notificações de HIV

Heterossexuais adultos representam a maior parcela nas novas notificações de infecção pelo vírus HIV. Em 2012, 67,5% dos casos informados pela rede de saúde pertenciam ao grupo de heterossexuais, sendo a maioria formada por mulheres, com 58,2%. O levantamento do sociólogo Júlio Jacobo Waiselfisz, com base nos dados do Ministério da Saúde, também mostra que a maior incidência de contaminação está na faixa de 30 a 49 anos, incluindo héteros e homossexuais.

Os grupos vulneráveis, somados, responderam por um terço nas notificações. O Rio é o quarto estado com maior incidência do vírus: 28,7 por cem mil habitantes, acima da média nacional, que é de 20,2. A maior taxa do país está no Rio Grande do Sul, de 41,4, seguido por Santa Catarina (33,5) e Amazonas (29,2).

Ministro da Saúde da Índia afirma que homossexualismo é doença

O ministro de Saúde da Índia, Ghulam Nabi Azad, gerou uma polêmica no país após ter dito, em uma conferência sobre a Aids, que o homossexualismo é uma “doença” que atinge cada vez mais pessoas. Ativistas disseram que as declarações são um atraso e prejudicam o debate no país.

“A doença dos homens que praticam sexo com outros homens é antinatural e não é boa para a Índia. Não somos capazes de identificar onde está ocorrendo”, disse Azad nesta segunda-feira (4/7).

“É fácil encontrar as trabalhadoras do sexo e conscientizá-las sobre o sexo seguro, mas é um desafio encontrar os homossexuais”, acrescentou Azad, em declarações publicadas nesta terça-feira pela agência indiana Ians.

OMS adverte que Europa é a única região com aumento da Aids

A Europa é a única região do mundo onde o índice de doentes por Aids continua crescendo, informou nesta sexta-feira (10), a diretora regional para a Europa da Organização Mundial da Saúde (OMS), Zsuzsanna Jakab.

“A Europa é a única das seis regiões do mundo monitoradas pela OMS onde a taxa de transmissão do vírus de imunodeficiência humana (HIV) e de doentes por Aids ainda aumenta”.

Segundo dados oficiais, o número de pessoas infectadas com HIV na Rússia aumenta 10% cada ano e supera atualmente 500 mil pessoas. Na Europa Ocidental e na União Europeia (UE), a principal causa da infecção é o crescente número de relações sexuais sem proteção entre homens, acrescentou a representante da instituição, citada pela agência russa “Interfax”.

Em inúmeros países da Europa Central, no entanto, o contágio mais habitual se produz entre casais heterossexuais. Zsuzsanna assinalou que o surgimento dos tratamentos antirretrovirais nos anos 80 conduziu a uma perda da conscientização sobre a transmissão do HIV na Europa. Um elevado porcentual das vítimas de Aids também são usuários de drogas injetáveis.

Fonte: Agência EFE

20% dos soropositivos morrem sem diagnóstico

Mesmo garantindo tratamento da Aids gratuito e universal desde meados dos anos 90, o Brasil tem cerca de 20% dos diagnósticos da doença feitos só depois que o paciente morre.

A constatação é da pesquisadora Monica Malta, da Fiocruz, que analisou os 386.209 casos registrados no país entre 1998 e 2008 no total, 141.004 pessoas morreram em decorrência da doença.

“Sem o diagnóstico, essas pessoas deixam de receber o tratamento que poderia fazer com que vivessem mais”, diz.

O estudo, apresentado na 18ª Conferência Internacional de Aids, em julho, é o primeiro com informações nacionais, com base em quatro bancos de dados do governo.

Foram analisados todos os casos confirmados da doença, e não aqueles em que havia apenas infecção pelo HIV em muitos casos, a pessoa tem o vírus, mas ainda não desenvolveu a Aids.

Exames – a análise revelou que 57,8% dos doentes não fizeram exame de carga viral e 48,6% não fizeram exame de CD4 naqueles dez anos.

Quando se consideram só os usuários de drogas injetáveis, as porcentagens são ainda maiores.

Os exames são importantes para a definição do medicamento e para o monitoramento de sua eficácia. Recomenda-se que cada um seja feito três vezes ao ano.

Isso pode significar que essas pessoas não estão se tratando de maneira adequada ou, simplesmente, que não estão se tratando.

Ronaldo Hallal, assessor técnico do Ministério da Saúde, diz que uma possível explicação é o fato de parte dos doentes realizarem esses exames na rede privada. No país, 75% da população não tem plano de saúde e depende do SUS.

O Ministério afirma ainda que uma parcela sem dizer o número só descobre a doença quando já está perto da morte, sem tempo para fazer os exames geralmente os mais pobres e os usuários de drogas injetáveis.

Sobre os 20% que morreram sem o diagnóstico, o Ministério disse que não comentaria pelo fato de a pesquisa não ter sido publicada.

Fonte: jornal Folha de São Paulo

 

Governo brasileiro levará ônibus com 30 mil preservativos para África do Sul

O Brasil não está preocupado apenas com o título da Copa do Mundo, mas também com a saúde dos torcedores na África do Sul. O governo brasileiro levará um ônibus com 30 mil preservativos e folderes sobre prevenção da Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis para a fase final do Mundial.

Entre os dias 1º e 18 de julho, o veículo circulará pelas cidades de Joanesburgo, Soweto, Alexandra e outras comunidades próximas na província de Gauteng.

O slogan da ação é “Marque um gol – Brasil e África do Sul no campo de batalha contra a Aids”. Durante a campanha, cerca de 2.500 jovens sul-africanos serão treinados para divulgar informações sobre formas de transmissão do HIV e a importância do uso do preservativo.

Na África do Sul, 18% da população está infectada pelo HIV. No Brasil, esse percentual é de 0,6%. “Aproveitando que o País será sede da próxima Copa do Mundo, queremos compartilhar um pouco da nossa experiência na prevenção do vírus da Aids”, explica a diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais brasileiro Mariângela Simão.

O ônibus percorrerá as cidades todos os dias, das 10h às 18h, no horário local. A ação é direcionada aos jovens, mas qualquer pessoa pode ter acesso aos preservativos e materiais informativos. Todos os preservativos destinados à distribuição foram produzidas no Brasil, na primeira fábrica do mundo a utilizar látex nativo, a Natex, localizada no município de Xapuri (AC).

A atividade conta com apoio das organizações não governamentais Bridges of Hope – que atua na área de Aids em mais de 70 países – e da WakeUp – especializada em montar redes sociais de jovens em locais de eventos esportivos ao redor do mundo.

O lançamento oficial da iniciativa está marcado para o dia 2 de julho, às 15h, no horário de Joanesburgo (20h em Brasília). Estarão presentes o ministro da Saúde da África do Sul, Aaron Motsualedi, o embaixador brasileiro no país sede da Copa, José Vicente de Sá Pimentel, e a governadora da província de Gauteng, Nomvula Paula Mokonyane. A cerimônia acontecerá na Public Viewing Area do bairro de New Town, um espaço organizado pelo governo local para as pessoas assistirem aos jogos do campeonato.

Fonte: UOL Esportes