acidente vascular cerebral

50% dos hipertensos desconhecem que tem a doença

Campanha “Conheça sua pressão arterial”, da Sociedade Brasileira de Hipertensão, busca conscientizar a população sobre importância da doença

Blood pressure measuring studio shotEstima-se que 50% das pessoas com pressão alta não sabem que possuem a doença, e dos que sabem apenas 25% são aderentes ao tratamento. Em função disso, e com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância de se conhecer e entender os valores da pressão arterial, a Sociedade Brasileira de Hipertensão, em parceria com o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, lança a Campanha 2014: “Conheça sua pressão arterial!”.

A hipertensão atinge em média de 30% da população brasileira, chegando a mais de 50% na terceira idade e está presente em 5% das crianças e adolescentes no Brasil, é responsável por 40% dos infartos, 80% dos acidentes vascular cerebral (AVC) e 25% dos casos de insuficiência renal terminal. No mundo, cerca de 7 milhões de pessoas morrem a cada ano e 1,5 bilhão, adoecem por causa da pressão alta.

As graves consequências da doença podem ser evitadas, desde que os hipertensos conheçam sua condição e mantenham-se em tratamento. “Nosso objetivo é fazer com que as pessoas compreendam o que significa os valores da pressão arterial, e como eles têm implicação direta na saúde e qualidade de vida de cada um, além é claro de incentivar que o exame torne-se um hábito”, explica Dra Frida Plavnik, diretora científica da Sociedade Brasileira de Hipertensão e coordenadora da campanha.

*Com informações da Sociedade Brasileira de Hipertensão

Sociedade Brasileira de Cardiologia lança campanha sobre os riscos da hipertensão

Hipertensão atinge 23% dos brasileiros

Pressão alta não controlada é a principal causa das duas doenças que mais matam no Brasil

“Eu sou 12 por 8” é uma campanha humanitária criada pela Sociedade Brasileira de Cardiologia para conscientizar a população sobre os benefícios de manter a pressão arterial em níveis adequados e sobre os riscos da hipertensão. Hoje, no Brasil, existem mais de 30 milhões de hipertensos que precisam entender e cuidar da sua saúde para viver mais e melhor.

A pressão alta não controlada é a principal causa das duas doenças que mais matam no Brasil: o acidente vascular cerebral e o infarto do miocárdio. A cada ano, 300 mil brasileiros são vitimados pelas doenças cardiovasculares, principalmente causadas pela hipertensão. Um número 2 vezes maior que as mortes causadas por câncer de todos os tipos, 3 vezes mais que aquelas devidas a acidentes e 4 vezes maior que as causadas por infecções, incluindo a AIDS.

O grande desafio da campanha “Eu sou 12 por 8” é que as pessoas percebam os benefícios de ter uma pressão normal ou controlada e a gravidade da hipertensão não tratada, façam um diagnóstico precoce e não abandonem o tratamento. No Brasil, estima-se que apenas 10%, dos cerca de 30 milhões de hipertensos existentes, façam o controle adequado da hipertensão.

Fonte: FENAM

Morre o escritor e médico gaúcho, Moacyr Scliar

Moacyr Scliar morre aos 72, de AVC
Moacyr Scliar morre aos 72, de AVC

 O escritor e médico gaúcho Moacyr Scliar, 73 anos, morreu na madrugada deste domingo (27/02) no Hospital de Clínicas em Porto Alegre, por falência múltipla de órgãos devido às consequências de um acidente vascular cerebral (AVC). Scliar havia sofrido um AVC na madrugada de 16 de janeiro enquanto se recuperava de uma cirurgia no intestino. De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, o escritor morreu à 1h, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ele deve ser velado neste domingo na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, a partir das 14h. O sepultamento será na segunda-feira (28), em cerimônia reservada a familiares e amigos.

Descentes de judeus, Moacyr Jaime Scliar nasceu em 23 de março de 1937, em Porto Alegre. Era casado com Judith, com quem teve um filho, Roberto. Formado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, era especialista em Saúde Pública e Doutor em Ciências pela Escola Nacional de Saúde Pública, tendo exercido a profissão junto ao Serviço de Assistência Médica Domiciliar e de Urgência. Seu primeiro livro, publicado em 1962, foi “Histórias de médico em formação”, contos baseados em sua experiência como estudante. Em 1968, publicou “O carnaval dos animais”, de contos, que considerava de fato sua primeira obra. Publicou mais de 70 livros de diversos gêneros literários – entre eles, os romances “O Exército de um homem só”, “A estranha nação de Rafael Mendes” e “O centauro no jardim” – e teve textos adaptados para cinema, televisão, rádio e teatro, inclusive no exterior. Era colaborador dos jornais Zero Hora e Folha de S. Paulo. Desde 2003, era membro da Academia Brasileira de Letras (ABL). Scliar ganhou três vezes o Prêmio Jabuti – a mais recente, em 2009, com o romance “Manual da paixão solitária”.