Médicos

Mulheres são mais sensíveis a álcool do que homens, explica médico

Mulheres são mais sensíveis a álcool
Apesar de gostosa, cerveja demais pode ser ruim

 No fim de semana, quando a gente tira folga, nosso fígado muitas vezes fica de plantão – e trabalha pesado. Um dos hábitos que mais sobrecarregam o órgão é o consumo de bebidas alcoólicas. O programa Bem Estar, da TV Globo convidou o médico psicanalista Sérgio Dualibi. Ele explicou que cada bebida alcoólica tem um teor alcoólico diferente. Vinho e cerveja são fermentados e, por isso, têm bem menos álcool que cachaça, uísque e vodca, que são destilados. A diferença entre os números para homens e mulheres tem vários fatores, entre eles está a concentração de água que cada um tem no organismo. Entre 55% e 65% do corpo masculino é água, enquanto esse número varia entre 45% e 55% nas mulheres. A maior quantidade de água faz com que o álcool se dilua mais facilmente nos homens. Por isso, mesmo se os dois tiverem o mesmo peso, o homem é mais resistente. A bebida em excesso sobrecarrega o fígado, porque uma de suas funções é desintoxicar o corpo. Além disso, ele regula a quantidade de água no corpo, trabalha na coagulação do sangue, armazena glicose. O corpo demora aproximadamente uma hora para se livrar de cada unidade de álcool e não há nada que se possa fazer para adiantar o processo. Beber café ou tomar banho frio pode deixar a pessoa mais acordada, mas não diminui a quantidade de álcool no sangue. O melhor alimento para se consumir junto com o álcool é o carboidrato que, no sangue, vira glicose. Frituras e condimentos irritam o estômago e, como o álcool também irrita, esses alimentos podem dar gastrite. É bom tomar água junto com a bebida, de preferência na mesma quantidade. Bebidas gaseificadas não são o ideal, pois potencializam a absorção do álcool.

Falta de médicos é o principal problema do SUS, mostra Ipea

Pesquisa revela: faltam médicos no SUS

Instituto ouviu 2.773 pessoas sobre a percepção dos serviços de saúde.
Em relação aos planos de saúde, preço da mensalidade é o maior problema.

A falta de médicos é o principal problema do Sistema Único de Saúde (SUS), mostra estudo do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) divulgada nesta quarta-feira (9) sobre a percepção da população sobre serviços de saúde. O instituto ouviu 2.773 pessoas de todas as regiões do país entre os dias 3 e 19 de novembro passado.

De acordo com o Ipea, 57,9% dos entrevistados que usaram ou acompanharam familiares para atendimento no sistema público de saúde nos 12 meses anteriores à pesquisa apontaram a falta de médicos como o problema mais grave do SUS. Dentre os que não utilizaram o sistema público, a falta de médicos foi apontada como principal problema por 58,8%.

Para 35,9% das pessoas que utilizaram o SUS, a demora no atendimento é o segundo maior problema da rede pública (32,8% para os que não utilizaram o serviço), seguido da demora para conseguir uma consulta com especialista – 34,9% dos que utilizaram ou acompanharam familiares, contra 28,9% que não utilizaram o sistema público de saúde.

Na outra ponta, os principais pontos positivos do SUS apontados por usuários e não usuários foi a universalidade do atendimento – para mais da metade dos entrevistados (53,2% dos que utilizam o sistema e 50,1% dos que não utilizam), essa é a principal vantagem da rede pública de saúde.

A igualdade no atendimento é apontada como o segundo ponto mais positivo do SUS (48,9% dos que usam o sistema e 43,7% dos que não utilizam), à frente da distribuição gratuita de medicamentos, considerada o terceiro ponto mais positivo para 33,4% dos entrevistados que utilizam o sistema e para 30,1% dos que não utilizam.

Planos de saúde
Dos entrevistados que têm ou tiveram um plano de saúde, a rapidez para a realização de consulta ou exame é apontada como o principal motivo para aderirem à saúde suplementar (40%). O segundo motivo mais apontado para se ter um plano de saúde privado é o fornecimento gratuito do benefício pelo empregador (29,2%).

Os principais problemas relacionados aos planos de saúde são o preço das mensalidades (39,8% das respostas), não haver cobertura para algumas doenças ou procedimentos (35,2%) e o fato de às vezes o plano não pagar o tratamento necessário (21,9%).

CFM promove seminário para instruir médicos sobre o combate ao uso de crack

Crack um mal que aumenta no Brasil

Crack um mal que aumenta no Brasil

O aumento excessivo do uso de crack no país tem deixado a categoria médica em alerta. Os médicos querem criar diretrizes eficazes para o tratamento da dependência do uso de crack. O assunto será debatido durante o I Seminário Nacional sobre Aspectos Médicos e Sociais Relacionados ao Uso do Crack, promovido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). O encontro será realizado em Brasília, no dia 25 de novembro. As inscrições para o Seminário já estão abertas e são gratuitas.
“A disseminação do uso de crack entre pessoas de todos os níveis sócio-econômicos, de modo preocupante entre os jovens (muitos deles estudantes), requer ampla discussão e intervenção da sociedade civil organizada. É preciso erradicar essa forma de drogadição, que prospera entre nós ceifando vidas, causando sofrimentos às famílias e prejuízos irreparáveis à sociedade”, afirma Carlos Vital, vice-presidente do CFM.

O Seminário será composto de duas mesas redondas. A primeira discutirá aspectos técnicos e éticos do consumo e do tratamento do usuário: epidemiologia do uso de drogas, dilemas éticos e clínicos na assistência, abordagens clínicas, acolhimento e interdisciplinaridade.

A segunda mesa discutirá tópicos institucionais e sociais do tema: aspectos jurídicos, papel institucional do Estado, propostas dos Ministérios da Saúde e da Educação para o combate ao crack (sobretudo no sistema educacional) e uso do crack sob a perspectiva da sociedade. Depois de cada mesa os debates serão abertos para a participação do público inscrito no encontro.

“O crack está fora de controle no Brasil”, alerta o tesoureiro do Conselho Regional de Medicina do Estado de Pernambuco (Cremepe), Ricardo Paiva. De acordo com o especialista, o crack é uma das drogas mais prejudiciais e que tornam o viciado mais violento. “O usuário fica dependente desde o primeiro uso e em menos de seis meses a droga provoca efeitos deletérios, incluindo a demência”.

No Brasil, a escalada do crack coincidiu com a política de fechamento de leitos psiquiátricos, e a rede pública não tem tido capacidade de absorver toda a demanda. O país conta com apenas 1.800 leitos psiquiátricos em hospital geral. Por outro lado há uma estimativa de 1,2 milhões de usuários de crack no país.

Inscrições gratuitas e limitadas

Já estão abertas as inscrições para o I Seminário Nacional sobre Aspectos Médicos e Sociais Relacionados ao Uso do Crack, promovido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). O encontro será realizado em Brasília, no dia 25 de novembro, no auditório da sede do CFM (SGAS 915, lote 72). As inscrições são gratuitas e devem ser feitas pela internet.

Comissão aprova prazos para atendimento de pacientes do SUS

Crianças deverão ser atendidas em 20 dias

A Comissão de Defesa do Consumidor aprovou na quarta-feira (24/06) o Projeto de Lei 7148/10, do deputado Edmar Moreira (PR/MG), que estabelece prazos para os atendimentos realizados por intermédio do Sistema Único de Saúde (SUS) – 15 dias para exames médicos, 30 dias para consultas e 60 dias para cirurgias, a contar do agendamento.

A proposta estabelece ainda que, se o usuário for criança com menos de 10 anos ou for portador de doença grave, os prazos previstos serão reduzidos em 1/3 (ficando em 10 dias, 20 dias e 40 dias, respectivamente). Para os idosos, portadores de necessidades especiais ou gestantes, o prazo máximo para a realização de consultas será de três dias, quando não for o caso de internação imediata.

O relator da proposta, deputado Edson Aparecido (PSDB/SP), recomendou a aprovação. “A garantia à saúde implica o pronto atendimento, ou, pelo menos, aquele realizado em prazo razoável. Submeter as pessoas a longos períodos de espera pode significar o mesmo que negar a elas o que prescreve o texto constitucional”, afirmou.

O projeto estabelece que o não cumprimento dos prazos previstos implicará a abertura de processo administrativo pelo órgão competente para apuração da responsabilidade.

Tramitação – O projeto, que tramita em caráter conclusivo de tramitação pelo qual o projeto não precisa ser votado pelo plenário, apenas pelas comissões designadas para analisá-lo. O projeto perderá esse caráter em duas situações: – se houver parecer divergente entre as comissões (rejeição por uma, aprovação por outra); – se, depois de aprovado pelas comissões, houver recurso contra esse rito assinado por 51 deputados (10% do total). Nos dois casos, o projeto precisará ser votado pelo Plenário., ainda será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fenam promove Congresso Médico dia 18 de junho

O Médico e a Realidade Brasileira é o tema do Congresso Médico da FENAM, um dos eventos mais importantes do calendário da Federação Nacional dos Médicos, que acontece nos dias 18 e 19 de junho, no Hotel Caesar Business, em São Paulo. No congresso, além de debater os temas mais relevantes para o movimento médico brasileiro, a Federação elege sua diretoria para o biênio 2010/2012. Com público estimado em 200 pessoas, o Congresso Médico da FENAM receberá cerca de 150 delegados com direito a voto.

Como ocorre tradicionalmente, a eleição da diretoria da FENAM acontece no último dia do evento (19/06). De acordo com o estatuto da entidade, na próxima gestão o presidente será oriundo da Região Sudeste, que abrange os estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo.

As inscrições para aqueles que irão participar do evento como delegados de seus sindicatos médicos, ou seja, os que têm direito a voto, devem ser feitas pelos telefones (61)3042-3700 (escritório da FENAM em Brasília) e (11) 3292-9147 (Sindicato dos Médicos de São Paulo) ou através do site da Fenam.

Os convidados e observadores também poderão usar os mesmos números de telefone e a mesma ficha do portal para fazerem suas inscrições. A lista de documentos necessários para o credenciamento dos delegados é a seguinte: cópia do edital de convocação da assembleia extraordinária do sindicato que elegeu os delegados, ata da assembleia extraordinária com lista de presença devidamente assinada pelos que participaram, e nomes dos delegados e suplentes. Esses documentos devem ser enviados para o e-mail secretaria@fenam.org.br ou pelos Correios, para o endereço SHS, quadra 6, conjunto A, sala 211, Brasília, CEP 70322-915.

Formação

Formação médica, escolas de medicina, residência médica e revalidação de diplomas e títulos de especialistas estão entre os assuntos debatidos no evento, que inclui ainda na sua programação temas como mercado de trabalho e remuneração, Plano de Carreiras, Cargos e Vencimento (PCCV), carreira de estado e trabalho médico na saúde suplementar.

O trabalho médico no Sistema Único de Saúde (SUS), o Programa de Saúde da Família e Comunidade, alternativas de remuneração e contrato de gestão também são subtemas do Congresso Médico da FENAM, assim como o portal da FENAM Web 2.0 e a planilha SUS/FENAM.

No dia 19, antes da eleição que escolherá os novos dirigentes da Federação Nacional dos Médicos, representantes de sindicatos médicos de todo o país debatem ainda temas como políticas de saúde e relação com a sociedade, financiamento e gestão do SUS e a relação dos médicos com a sociedade.

Avaliação

O Congresso Médico da FENAM é classificado pela diretoria da entidade como um grande momento de avaliação e definição das diretrizes e ações que serão desenvolvidas nos próximos dois anos em favor do médico brasileiro, que, nos últimos anos vem sofrendo um processo de desvalorização, por conta, principalmente, da baixa remuneração e falta de condições de trabalho.

IX Congresso Médico da FENAM – programação preliminar

Dia 18 – Sexta-feira
8h às 9h – Credenciamento e inscrições
9h às 11h30min – Temas:
– Formação Médica
– Escolas Médicas
– Residência Médica
– Revalidação de diplomas e título de especialistas
10h45min às 12h – Debate/plenária
12h às 13h – Intervalo para almoço
13h às 13h45min – Subtemas 1

– Mercado de Trabalho e Remuneração
– PCCV/Carreira de estado/Carreira pública
– Trabalho médico na saúde suplementar
Subtemas II – 13h45min às 15h15min

– Trabalho médico no Sistema Único de Saúde

– Programa de Saúde da Família e Comunidade
– Alternativas de remuneração
– Contrato de gestão
15h15min às 15h30min – Intervalo
15h30min às 16h45min – Debate/plenária
17h – FENAM 2.0
17h30min – Planilha SUS/FENAM
20h – Solenidade de abertura

Dia 19 de junho – Sábado
8h30min às 12h – Temas
– SUS, Políticas de Saúde e Relação com a Sociedade
– Financiamento do SUS
– Gestão do SUS
– A Relação dos Médicos com a Sociedade
13h às 16h – Plenária final
Relatório final – Carta de São Paulo
16h às 16h30min – Intervalo
16h30min – Eleição da Diretoria
17h30min – Encerramento

Governo do Distrito Federal contrata 592 médicos

Mais de 500 médicos foram contratados pela SES

O Governo do Distrito Federal anunciou a contratação de 592 médicos para a rede pública, incluindo 90 anestesistas, 150 clínicos-gerais, 60 pediatras e 20 psiquiatras. “Neste ano, quase 2 mil profissionais serão convocados”, afirmou o secretário de Saúde, Joaquim Barros Neto. Os convocados terão 25 dias para tomar posse. A Secretaria de Saúde também empossa na quinta-feira (dia 13/05) 782 servidores, entre administrativos, auxiliares de enfermagem, psicólogos e nutricionistas.

Palestra “Cuidando do Cuidador”

Será realizada nesta quinta-feira (29/04), às 20 horas, no auditório do Sindicato dos Médicos do DF/SindMédico (607 Sul Centro Clínico Metrópolis, Cobertura 1), a palestra “Cuidando do Cuidador” – Aprendendo a cuidar de si para melhor cuidar do outro. O objetivo é ajudar o médico a se prevenir de situações como pressões e risco que podem levá-lo ao estresse intenso, ocasionando a depressão e síndrome de Burnout e, em alguns casos, uso de drogas lícitas e ilícitas. Cinco médicos foram convidados como palestrantes: o ex-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Edson Andrade, coordenador da pesquisa que virou o livro “A saúde dos médicos no Brasil” e o ex-conselheiro do CFM, Genário Barbosa. Também farão palestras as médicas Ana Maria Gomes Soares, hematologista; Maria Célia Couto Melo, psiquiatra; e Henrique Camarote, neurologista.

Entrada franca.

Maiores informações: 3244-1998

Médicos do Judiciário querem jornada de 20 horas

Está na pauta da sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) desta terça-feira, dia 5, um Pedido de Providências(PP 0007542-84.2009.2.00.0000) para que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Tocantins, cumpra decisão do CNJ, no sentido de aplicar aos servidores ocupantes do cargo de Analista Judiciário – Especialidade Medicina, as disposições previstas no Decreto-Lei 1.445/76 e na Lei 9.436/97, fixando a jornada de trabalho em 20 horas semanais.

Em outubro de 2008, o CNJ definiu que os servidores médicos do Poder Judiciário da União deverão trabalhar quatro horas diárias (20 semanais), conforme estabelece a Lei Federal nº 9436/97, que dispõe sobre a jornada de trabalho de médico da Administração Pública Federal direta, das autarquias e das fundações.

Com relação aos servidores médicos do Poder Judiciário dos Estados, o CNJ decidiu que a jornada deve ser fixada pelo Tribunal, obedecida a legislação estadual sobre a matéria, quando existente. A consulta ao CNJ foi ocasionada pela divergência de entendimento acerca da matéria entre o Tribunal de Contas da União, que cobra jornada de trabalho de 40 horas semanais, de acordo com o que dispõe a Lei 8.112/90, (Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos) e o Supremo Tribunal Federal, que possui entendimento de que a jornada do servidor público ocupante de cargo de médico continua sendo regida pela norma específica e, tanto o Superior Tribunal de Justiça (STJ) quanto o Tribunal Superior do Trabalho (TST) têm a questão regulamentada em favor das quatro horas.

Médico do Piauí vai ganhar R$ 2,7 mil em 2011


O Governo do Piauí sancionou na última sexta-feira, 26 de março, o Projeto de Lei que cria o Plano de Carreira Médica do Estado. Com isso, o médico de ambulatório em início de carreira que recebe R$ 1.537,85, passará a receber R$ 2.795,36, reajustado em quatro etapas semestrais até 2011. Para plantonistas, a remuneração passou para R$ 2.795,36 em fevereiro e deve chegar a R$ 4.027,01 ao final da implantação do acordo.

O reajuste foi estabelecido após meses de negociação com o Governo do Estado, o que determinou a incorporação gradativa da produtividade ao vencimento.

O Plano de Carreira Médica do Piauí agora determina que “A lei beneficia o profissional, pois no ato da aposentadoria ele perdia a maior parte do seu vencimento. Agora o médico vai poder se aposentar e tirar férias sossegado. Antes ele não podia nem adoecer, senão ficava sem rendimento”, afirmou o presidente do SIMEPI, Leonardo Eulálio.

O governador Wellington Dias reconheceu a importância do médico e a necessidade de um olhar diferenciado sobre a profissão, uma vez que a medicina exige um longo tempo de dedicação aos estudos “A maioria dos cursos tem duração de quatro a cinco anos. O médico passa 10 anos em formação. Essa ainda não é a remuneração ideal, mas é um grande avanço. Quando assumi esse governo, o médico tinha vencimento de R$ 270. Multiplicamos esse valor quase 10 vezes”, destacou. Ainda assim, o salário do médico no Piauí deixa muito a desejar.

Alagoas sedia I Encontro Médico-Mídia Nordeste


Foi aberto na noite desta quinta-feira, em Maceió, Alagoas, o I Encontro Médico-Mídia Nordeste, promovido pela Fenam com o apoio do Sindicato dos Médicos de Alagoas. A solenidade de abertura foi feita pelo presidente da entidade, Wellington Moura Galvão. Em seguida foi realizada a palestra “O Papel das Assessorias de Imprensa e o embate Sindicato x Governo”, pela professora Silva Falcão.

Nesta sexta-feira, dia 26, os trabalhos começam às 8h30, no auditório Oscar de Melo, com a palestra “Como alcançar êxito na comunicação sindical para os associados e para a mídia”, com o médico Waldir Cardoso, secretário de comunicação da Fenam. Em seguida, o jornalista Chico Carlos, assessor de imprensa do Sindicato dos Médicos de Pernambuco, falará sobre “Greve Médica x Gerenciamento de Crise”.
A “Evolução da comunicação entre sindicato e médicos na Bahia” será apresentada nesta sexta-feira pelo jornalista Ney Sá, assessor de imprensa do Sindicato dos Médicos da Bahia, que mostrará o trabalho da Revista Luta Médica.  
O caso de Alagoas, onde os médicos entraram em greve e tiveram sérios desafios com o governo também será apresentado no Encontro Médico e Mídia, com a palestra “O desafio de reverter os efeitos da mídia governamental e difundir a luta médica”, por Wellington Moura Galvão, presidente do Sindicato dos Médicos de Alagoas.
O jornalista Marco Aurélio Melo, repórter da TV Pajuçara/Rede Record, vai falar sobre “Como dar uma boa entrevista e virar fonte”, seguida da palestra “A mídia como prestadora de serviço, pelo jornalista Odilon Rios, repórter de O Jornal.
No encerramento do I Encontro Médico-Mídia Nordeste, no sábado, dia 27, o Sindicato dos Médicos de Alagoas organizou para os participantes um passeio de catamarã no complexo lagunar Mundaú/Manguába, seguido de almoço no restaurante O Peixarão, no Pontal da Barra.

Serviço:

I ENCONTRO MÉDICO-MÍDIA DO NORDESTE
25 A 27 DE MARÇO DE 2010 – MACEIÓ/ALAGOAS
LOCAL: PRÉDIO-SEDE DO SINDICATO DOS MÉDICOS DO ESTADO DE ALAGOAS (Rua Teonilo Gama, 186 – Trapiche da Barra – Maceió/AL)