ministro da saúde

Sergio Cortes cotado para ministro da Saúde

Depois de escolher os principais nomes da equipe econômica, a presidente eleita, Dilma Rousseff, já decidiu quem será o ministro da Saúde. Após uma reunião de mais de três horas na noite de segunda-feira (29), na Granja do Torto, com o governador Sérgio Cabral, ficou acertado que o ministério será ocupado por Sérgio Côrtes, secretário de Saúde do Rio. Dilma e Cabral conversaram durante o fim de semana sobre o assunto, mas o martelo só foi batido nesta segunda-feira. O cargo de Côrtes no estado deverá ser preenchido por Monique Fazzi, atual subsecretária-geral, mantendo o perfil técnico da secretaria.

No Rio de Janeiro, Côrtes foi o responsável pela implantação das Unidades de Pronto-Atendimento 24 Horas, as UPAs, que depois foram replicadas pelo governo federal para outros estados. Mas a ida dele para o Ministério da Saúde não tem relação somente com as UPAs. Segundo uma fonte do setor, Dilma espera que o atual secretário implemente na pasta projetos de prevenção e atenção à saúde básica, além de manter um olhar sobre a atenção à mulher. Na gestão de Côrtes, o Rio criou um Hospital da Mulher em São João de Meriti e um projeto para atender gestantes de baixo risco. Ainda na campanha, uma das promessas de Dilma foi a implantação de uma rede-cegonha para as gestantes.

Fonte: O Globo

Ministro da Saúde com perfil técnico

Dilma Rousseff se reuniu neste final de semana com um grupo de 28 médicos em São Paulo. O organizador do encontro foi o cardiologista Roberto Kalil Filho que também é médico da presidente eleita. Ela estava acompanhada do deputado Antonio Palocci (PT-SP).

Maurício Ceschin, presidente da Agência Nacional de Saúde (ANS), disse que a reunião teve como objetivo discutir propostas para o governo na área da saúde. Segundo ele, Dilma Rousseff afirmou que o próximo ministro da Saúde terá perfil técnico e não político.

A presidente eleita esteve em São Paulo para se submeter a exames de rotina no Hospital Sírio e Libanês. De acordo com o boletim médico, os exames mostraram resultados satisfatórios. Este é o primeiro check up realizado por Dilma após ela ser eleita presidente do Brasil.

A aposta em Brasília é a de que o ministro das Relações Institucionais, o médico sanitarista Alexandre Padilha, é o nome mais cotado para assumir a Saúde. Padilha reuniu apoio político e da classe médica. 

O PMDB já informou Dilma que aceita abrir mão da Saúde (ocupada atualmente por José Gomes Temporão) em benefício de uma pasta com peso político importante, como o Ministério das Cidades.