Reprodução Humana

MATERNIDADE APÓS OS 40: ENTENDA COMO TER UMA GESTAÇÃO TARDIA COM SEGURANÇA

 

Ivete Sangalo, Luciana Gimenez, Karina Bacchi, dentre tantas outras famosas brasileiras, engrossam o coro da maternidade após os 40 anos. Adeptas às técnicas de reprodução humana, elas puderam realizar o sonho de serem mães em uma idade mais avançada. Isso porque, a partir dos 35, as mulheres começam a apresentar uma diminuição gradativa da fertilidade e da qualidade dos seus óvulos.

A médica geneticista Graziela Antonialli alerta para os riscos de uma gravidez nessa fase da vida, que incluem hipertensão gestacional e pré-eclâmpsia, além de diabetes materna e parto prematuro. “Existe também o risco aumentado para malformações fetais, principalmente relacionado ao aumento das anomalias cromossômicas, como a síndrome de Down, a síndrome de Turner, e as síndromes de Patau e de Edwards, que são as mais conhecidas. Por isso, se for necessário postergar a gravidez, deve-se consultar um médico para que possam receber as informações necessárias para uma gestação mais segura”, informa a especialista, que compõe o corpo clínico da Fertilcare, em Brasília.

As mulheres que pretendem recorrer às técnicas de reprodução humana receberão um estímulo hormonal, que permite que mais de um óvulo amadureça em um mesmo ciclo. Após esse primeiro passo, e com controles ultrassonográficos, os óvulos são coletados. Se for do desejo do casal, pode ser feita uma triagem genética para selecionar os embriões considerados cromossomicamente normais. A partir daí, podem ser transferidos para o útero materno os que foram selecionados.

Já as que vislumbram serem mães no futuro, podem preservar a fertilidade através do congelamento de óvulos. Eles poderão ser utilizados no momento que a mulher achar oportuno, mas a orientação é que a gestação ocorra antes dos 50 anos. Porém, em situações de exceção, justificada pelo médico e conscientes dos riscos, mulheres mais velhas podem gestar, segundo nova norma do Conselho Federal de Medicina”.

Outro benefício do congelamento de óvulos é para as mulheres que irão passar por tratamento de câncer. Dra. Graziela Antonialli esclarece que a quimioterapia e a radioterapia podem causar a infertilidade, por serem tratamentos agressivos que prejudicam as células reprodutivas. Assim, o indicado é que os óvulos sejam congelados antes de se iniciar o uso de medicações para a cura do câncer.

Existem também as pacientes com risco de ma falência ovariana precoce, devido a um histórico familiar de menopausa em idade jovem ou quando os exames ginecológicos apontam para o possível problema. Nestes casos, o congelamento de óvulos pode preservar o tempo de fertilidade dessas mulheres, permitindo a realização do sonho da gravidez.

Produção Independente – As que pretendem ter filhos de forma independente, a exemplo de Karina Bacchi, podem recorrer aos bancos de sêmen. A Dra. Graziela Antonialli, explica que em Brasília, a clínica Fertilcare, dispõe desse serviço. Ela detalha que antes da coleta dos gametas, os doadores passam por exames de saúde e realizam o cariótipo para afastar anomalias cromossômicas, além de preencherem um cadastro onde são coletados seus dados pessoais, como cor de pele, altura, peso, principais características físicas, hábitos de vida e dados da família, como doenças mais comuns, além das características físicas de pais e avós.

“Todo esse cuidado é necessário para garantir a saúde da mulher e do bebê. Quando se opta pela utilização de um sêmen doado, ela poderá fazer a escolha entre todos os doadores daquele banco, de acordo com as características que achar mais importantes. Vale reforçar que as técnicas de reprodução humana podem auxiliar na realização de sonhos de muitas mulheres que adiam a maternidade, seja por razões profissionais, emocionais ou de saúde. O mais importante é que seja procurado um centro de reprodução humana de referência, de acordo com as normas de Vigilância Sanitária e do CFM”, indica.

Clínica promove, em Brasília, campanha de Doação de Sêmen: Saiba como participar

 

A infertilidade masculina no Brasil é responsável por 40% dos casos de dificuldades de engravidar, o que faz com que muitas pessoas recorram a um banco de sêmen. A prática da doação de sêmen ainda é pouco conhecida no País e têm refletido no aumento da procura por bancos internacionais, que cresceram, de acordo com a Anvisa, 2.500% entre 2011 e 2016. Mas esse perfil está prestes a mudar. É que a clínica Fertilcare encabeça, em Brasília, a campanha de “Doação de Sêmen” com o objetivo de ajudar a construir famílias.

De acordo com a diretora da Fertilcare, Beatriz de Mattos, o objetivo da campanha é promover a doação do sêmen ao longo do ano, mas o mês de janeiro foi escolhido para incentivar o início de 2018 com a boa ação. “Nos casos de infertilidade masculina mais grave, casais precisam recorrer ao banco de sêmen para realizar o sonho de serem pais. Há ainda mulheres que decidem ser mães independente de um parceiro, e casais de mulheres que precisam do material genético masculino para gerarem seus filhos.  Em todos esses casos, os sêmens dos doadores são essenciais para transformar sonhos em vidas”.

A embriologista explica que para ser um doador de sêmen é preciso ter entre 18 a 50 anos, e o único preparo necessário para coleta do esperma é a abstinência sexual ou de ejaculação de três a sete dias.  Após a coleta, o material é submetido à avaliação seminal, e o doador recebe gratuitamente os resultados de espermograma, doenças sexualmente transmissíveis e exame genético. Depois de seis meses, o doador retornará para realizar novos exames de sangue.

A especialista destaca que a doação é anônima e segue a resolução do Conselho Federal de Medicina e da Anvisa. “As receptoras não terão qualquer informação sobre o doador assim como os doadores não saberão a quem seu sêmen foi destinado. O doador também não terá acesso a esse sêmen no futuro, caso deseje”, esclarece Dra. Beatriz.

A coleta será feita na clínica Fertilcare, que fica na 915 Sul através do agendamento pelo telefone (61) 3248 0101. Logo após a doação, o sêmen é processado em laboratório e os espermatozoides são congelados e somente poderão ser disponibilizados em tratamento de infertilidade após seis meses, quando se tem o resultado da repetição dos exames de sangue. Vale lembrar que a venda de sêmen no Brasil é proibida e o material deve ser adquirido somente por doação.

Para que o material seja usado em técnicas de reprodução humana, Dra. Beatriz de Mattos esclarece que o casal que for adquirir a amostra seminal se comprometerá com os custos dos exames realizados no doador. “O objetivo dessa campanha não é ter fins lucrativos, mas, sim, diminuir o sofrimento daqueles que necessitam desta ajuda na construção da família. Trata-se de um simples ato de amor à vida”, finaliza.

SONHA TER FILHOS? PROJETO BENEFICIARÁ 20 CASAIS DO DF

Quem planeja em 2018 ter filhos, mas dependente da Fertilização In Vitro para engravidar, pode comemorar. A clínica Fertilcare, mais uma vez, através do projeto Realizar Sonhos, beneficiará 20 casais do Distrito Federal com o. Na sua 5ª edição, a iniciativa possibilitou que dezenas de pessoas pudessem realizar o sonho de serem pais.

De acordo com a embriologista e diretora da Fertilcare, Dra. Beatriz de Mattos, como no geral o custo do tratamento para fertilização é alto, o objetivo é fazer com que os casais possam ser submetidos às técnicas avançadas com valor reduzido em cerca de 50%. “A Fertilização pelo Realizar Sonhos é igualmente eficaz ao tratamento regular, a única diferença é que nesse projeto contamos com o apoio dos fornecedores de insumos e medicação, além da ausência de honorários médicos, que tornam o tratamento mais acessível”, explica.

A especialista esclarece que para participar é necessário que os casais estejam dentro dos requisitos de saúde recomendados no projeto Realizar Sonhos, os quais foram ampliados nesta edição para atender novos casais. A inscrição para a seleção será de 20 de novembro a 25 de dezembro através do preenchimento de um formulário online no site www.fertilcare.com.br. “Convocaremos 40 casais inscritos para uma consulta médica gratuita, dos quais 20 serão selecionados”, antecipa Dra. Beatriz de Mattos.

A embriologista informa que o tratamento acontecerá no início de próximo ano. “É uma oportunidade para quem planeja ter filhos em 2018. A missão deste projeto bienal é justamente  de ajudar na realização deste sonho, mas que por diversos motivos ainda não foi concretizada”, afirma Dra. Beatriz de Mattos.

:: Serviço

5ª Edição do projeto Realizar Sonhos

Seleção de 20 casais do DF para o Tratamento de Fertilização In Vitro

Inscrições até o dia 25 de dezembro através do site www.fertilcare.com.br

CFM define novas regras para Reprodução Humana no Brasil

 

O Conselho Federal de Medicina (CFM) divulgou na quinta-feira, 9 de novembro, novas regras para utilização das técnicas de reprodução humana no Brasil. Através da Resolução CFM nº 2.168/2017, o CFM editou regras sobre gestação compartilhada, de substituição e descarte de embriões.

Com a nova Resolução pessoas sem problemas reprodutivos diagnosticados podem recorrer a técnicas disponíveis de reprodução assistida, como o congelamento de gametas, embriões e tecidos germinativos.

Dentre os destaques introduzidos na norma, o CFM ainda estendeu a possibilidade de cessão temporária do útero para familiares em grau de parentesco consanguíneo descendente. Antes, de primeiro a quarto graus, somente mãe, avó, irmã, tia e prima poderiam participar do processo de gestação de substituição. Com a alteração, filha e sobrinha também podem ceder temporariamente seus úteros. Pessoas solteiras também passam a ter direito a recorrer a cessão temporária de útero.

O diretor da clínica Fertilcare, Dr. Frederico Corrêa, avalia como positiva as atualizações nas normas de reprodução humana, mas chama atenção para a importância da avaliação com o médico antes de começar o tratamento de reprodução assistida, fundamental para mulheres com idade próxima a 50 anos.  “A mulher deve ser saudável e se ela tem um problema de saúde mais grave, que possa levar a um risco, no caso da gestação, a gente contraindica. Então, ela deve passar por uma avaliação clínica, com vários exames para que se possa identificar se  pode ficar grávida”, enfatiza.

 

 

Projeto Beneficiará 20 Casais do DF com o Tratamento de Fertilização In Vitro

 

Casais selecionados serão submetidos ao tratamento de infertilidade com um valor reduzido em cerca de 50%. As Inscrições vão até o dia 15 de setembro

A clínica FertilCare mais uma vez, através do projeto Realizar Sonhos, beneficiará 20 casais do Distrito Federal com o tratamento de fertilização in vitro. Na sua 4ª edição, a iniciativa possibilitou que dezenas de pessoas pudessem realizar o sonho de serem pais.

De acordo com a embriologista e diretora da FertilCare, Dra. Beatriz de Mattos, como no geral o custo do tratamento para fertilização é alto, o objetivo é fazer com que os casais possam ser submetidos às técnicas com valor reduzido em cerca de 50%. “O tratamento é igualmente eficaz e a diferença é que nesse projeto contamos com o apoio dos fornecedores de insumos e medicação, além da ausência de honorários médicos – o que o tornam viável”, explica.

A especialista esclarece que para participar é necessário que os casais estejam dentro dos requisitos de saúde recomendados no projeto Realizar Sonhos.

A inscrição para a seleção vai até o dia 15 de setembro através do site www.fertilcare.com.br onde deve-se preencher um formulário online. “Nesta edição, em razão da alta procura, convocaremos 40 casais inscritos para uma consulta médica gratuita, dos quais 20 serão selecionados”, antecipa Dra. Beatriz de Mattos.

A embriologista informa que os preparativos para o tratamento acontecerão nos meses de setembro e outubro, para que a fertilização ocorra em novembro e dezembro. “É uma oportunidade para quem planeja ter filhos em 2018. A missão do projeto é justamente essa, de ajudar na realização deste sonho, mas que por diversos motivos ainda foi concretizada”, afirma Dra. Beatriz de Mattos.

 

:: Serviço

4ª Edição do Projeto Realizar Sonhos

Seleção de 20 casais do DF para o Tratamento de Fertilização In Vitro

Inscrições até o dia 15 de setembro através do site www.fertilcare.com.br

 

Infertilidade afeta mais de 278 mil casais brasileiros: saiba as causas e os tratamentos

No Brasil, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, mais de 278 mil casais em idade fértil têm dificuldade para conceber um filho. Neste mês de junho, que é voltado à Conscientização da Infertilidade, vale reforçar que o problema pode ser devido a alterações femininas e masculinas. É o que explica a médica ginecologista Luciana Potiguara, especialista em reprodução humana. “São vários os fatores que podem acometer homens e mulheres, por isso a necessidade de buscar ajuda especializada, a fim de serem feitos os exames necessários para o correto diagnóstico”, afirma.

No que refere às causas femininas, Dra. Luciana detalha as patologias mais comuns. “Pode ser devido a obstrução tubária uni ou bilateral, aderências tubárias, infecções pélvicas, ausência de ovulação, síndrome dos ovários policísticos, falência ovariana prematura, malformações, miomas, sinéquias intrauterinas, adenomiose e endometriose – doença que atinge uma em cada dez mulheres”, diz a médica, que dirige, em Brasília, a Clínica FertilCare, que dispõe de um centro de reprodução assistida.

Já a infertilidade masculina está relacionada a produção anormal do sêmen, seja em quantidade ou qualidade, e, até mesmo, na impossibilidade ou dificuldade de deposição do ejaculado na vagina, em razão de malformações no pênis. A médica esclarece que as principais causas de alteração no sêmen são: varicocele, infecções, traumas e malformações genitais. “Fatores comportamentais como tabagismo, etilismo e uso de drogas também podem causar infertilidade nos homens”, destaca.

Com a avaliação médica e exames complementares, o tratamento pode ser por meio de cirurgias, uso hormonais e com técnicas de reprodução assistida. “Em alguns é indicado a indução da ovulação com medicações específicas, a inseminação intrauterina que é uma técnica de reprodução assistida de baixa complexidade e fertilização in vitro – em que há manipulação de óvulos, espermatozoides e embriões”, esclarece Dra. Luciana Potiguara.

Prolongar a fertilidade – Pacientes que serão submetidos ao tratamento de câncer também podem ter a fertilidade comprometida em razão da quimioterapia e radioterapia. Para que possam ter filhos após a cura da doença, de acordo com a Dra. Luciana Potiguara, podem ser congelados o tecido ovariano e oócitos (células germinativas femininas), assim como os espermatozoides.

”No caso de coleta seminal, o material é congelado e mantido em botijões de nitrogênio líquido a uma temperatura negativa (processo chamado de criopreservação) por tempo indeterminado. O uso do sêmen congelado só pode ser solicitado pelo paciente que realizou o armazenamento do material através da clínica que fará a utilização em técnicas de reprodução assistida”, pontua a médica.

Para os casais que desejam ter filhos e há ausência de gravidez após 12 meses de relação sexual sem uso de método contraceptivo, Dra. Luciana Potiguara reforça: “É preciso fazer uma anamnese para entender as possíveis causas da infertilidade. O mais importante é saber que a medicina dispõe de recursos de comprada eficácia que podem, sim, ajudar no sonho da maternidade”.

FertilCare oferece Vivência de Verão na área de Reprodução Humana

Alunos universitários que desejam conhecer a rotina de um embriologista na área de Reprodução Humana têm a oportunidade, neste verão, na época de férias, de ter esta vivência profissional. O Instituto de Ensino e Pesquisa do Centro de Reprodução Humana FertilCare (IEP-F) oferece duas vagas para quem deseja conhecer os procedimentos laboratoriais. As inscrições podem ser feitas até o dia 3 de fevereiro através do e-mail bia.fertilcare@gmail.com.

A Vivência de Verão possui duas modalidades: Micro e Mini Vivência. A primeira é dedicada a uma semana (de 6 a 10 de fevereiro), de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h e tem o investimento de R$ 1.200 à vista, podendo ser parcelado em duas vezes de R$ 650. A Mini Vivência segue a mesma carga horária diária, com duração duas semanas de imersão (de 17 A 24 de fevereiro) com investimento de R$ 2.100 à vista ou três parcelas de R$ 750.

De acordo com a diretora do FertilCare, Beatriz de Mattos, esta é uma ocasião em que se poderá acompanhar técnicas utilizadas no Laboratório de Andrologia, Fertilização in vitro e Criopreservação. “O objetivo é que estudantes universitários de Biologia ou Biomedicina, Biólogos e Biomédicos recém-formados  vivenciem a rotina do profissional especializado em embriologia como forma de obter, na prática, o conhecimento de como são feitos os procedimentos. Além disso, poderão ter acesso a discussão de casos, artigos científicos atuais e legislação. Por isso, para a seleção, vamos fazer uma análise detalhada do currículo e isso inclui a exposição de motivos de interesse pela Vivência”, detalha.

Ao fim da Vivência de Verão em Reprodução Humana Assistida os participantes receberão certificado – desde que cumpram a carga horária da Vivência e adquiram o conhecimento teórico e prático no período a que se destina.

 

:: Serviço

Vivência de Verão na Área de Reprodução Humana Assistida

Inscrições: Até o dia 3 de fevereiro

Início:  Micro Vivência: 6 de fevereiro e Mini Vivência: 17 de fevereiro

Local: Centro de Reprodução Humana FertilCare | SGAS quadra 915 Subsolo 2 sala 001 Ed. Advance – Asa Sul | Brasília – DF

Telefone: (61) 3248-0101

Tutores: Beatriz de Mattos – Bióloga/ Diretora

Eduardo Schuchowsky – Biomédico

FertilCare oferece, em Brasília, vaga para especialização em reprodução humana

Ginecologistas interessados atuar na área de Reprodução Humana e Endoscopia Ginecológica têm, em Brasília, a oportunidade de estagiar com médicos renomados na área de atuação. É que o Centro de Reprodução Humana FertilCare abriu uma vaga de treinamento em serviço “fellowship” remunerado, com duração de um ano e em período integral.

Para participar do processo seletivo é necessário acessar o endereço eletrônico www.fertilcare.com.br/ensinoepesquisa e preencher o formulário com os seus dados pessoais. As inscrições vão até o dia 31 de janeiro e a prova será aplicada no próximo 6 de fevereiro. “O processo seletivo é baseado em análise de currículo, prova escrita e entrevista com banca examinadora”, explica o diretor do FertilCare, Dr. Frederico Corrêa.

O especialista em reprodução assistida esclarece que o conteúdo para a prova é voltado à endocrinologia ginecológica, patologias benignas dos órgãos reprodutivos, infertilidade conjugal, desenvolvimento sexual normal e patológico e malformações uterinas. “Com o estágio será possível aprender as mais modernas técnicas de reprodução humana e endoscopia ginecológica. Ao fim do fellowship, além de receber certificação de 3 mil horas comprovando a experiência, o estagiário poderá ser convidado a fazer parte do corpo clínico do FertilCare”, antecipa Dr. Frederico.

O médico avalia como uma chance para conhecimento específico, já que a área de reprodução humana está em ascensão e são poucos os médicos no Brasil com expertise no assunto. “Vimos a oportunidade de oferecer essa vaga diante do interesse de alguns médicos que desejam adquirir experiência na área”, diz Dr. Frederico Corrêa. O resultado final da seleção será 13 de fevereiro e o início das atividades em 1º de março.

FertilCare celebra um ano de sucesso em Brasília

O Centro de Reprodução Humana FertilCare reuniu, na noite dessa terça-feira, 28 de junho, médicos, amigos, autoridades na área de saúde no auditório do Centro Clínico Advance, em Brasília, para comemorar o primeiro ano de atividades da clínica. Os convidados também puderam conhecer as instalações do Centro, um dos mais modernos do país.

Durante a solenidade de abertura, o diretor do FertilCare, Frederico Corrêa falou sobre a equipe multidisciplinar que é composta por médicos com especialização em reprodução humana e assistida, e que trabalham há muitos anos com a preservação da fertilidade e tratamento dos casais inférteis. Frederico Corrêa citou os embriologistas que têm ampla experiência em técnicas de reprodução assistida, além de andrologistas, ultrassonografistas, infectologistas, psicóloga e enfermeiras treinadas e habilitadas na abordagem da infertilidade conjugal. Foi apresentado um vídeo institucional mostrando toda a modernidade da clínica.

Em seguida, Carla Martins, que também dirige o Centro de Reprodução Humana, agradeceu a todos os convidados e falou sobre o recém-lançado projeto “Realizar Sonhos”, que possibilita aos casais inférteis do Distrito Federal assistência ao tratamento de fertilização in vitro, em função do elevado custo do procedimento.

A também diretora do FertilCare, Luciana Potiguara, disse que trata-se da realização de um sonho trabalhar com reprodução assistida. A médica falou sobre encontrar pessoas maravilhosas para compor a equipe, o que torna um atendimento de excelência para os pacientes. Ela também lembrou da recente ação social que o FertilCare lançou para oferecer às mulheres do Distrito Federal o uso de método contraceptivo de longa duração, eficaz e reversível. O método, que tem custo elevado no mercado, foi concedido gratuitamente.

Beatriz de Mattos, que compõe a direção do FertilCare, disse que a clínica é o resultado de muito trabalho e esforço pessoal e conjunto dos diretores. Já Josenice Araújo, que divide também a direção do FertilCare, falou sobre os planos de idealização do Centro de Reprodução Humana. A médica destacou as viagens de atualização profissional, sempre com o objetivo de trazer as principais novidades de saúde e assistência integral aos pacientes.

Por fim, Frederico Corrêa reforçou que há vinte anos Brasília não tinha um novo cento de reprodução assistida. “Estamos aqui lutando para oferecer cada vez mais o melhor, com qualidade e eficácia para os nossos pacientes”, disse. Os convidados brindaram com os diretores do FertilCare em um coquetel assinado pelo Buffet da Corte ao som de voz e violão do Cantor Di Brasil, com o melhor na música popular brasileira.